terça-feira, 11 de agosto de 2009

A SEMANA COM Julia Valle - dia 02

Duas coisas foram bem boas há duas edições do Fashion Rio.

A coleção da Marcela Virzi, com uma mistura fina de barroco e clássico, numa Marcela versão melhor de si mesma, mais apurada. A roupa me dizia que Marcela tinha passado por alguma mudança – e no fim, conversando com ela sobre isso, ela me disse que estava mais leve e segura e feliz na fase mãe. A roupa era isso: feminina, vaidosa, dentro da linguagem dela e ainda em sintonia com os tempos. Só deu pena de ela ter produzido uma única jaqueta dourada de couro toda perfurada e eu não ter tido chance de comprar. Era um investimento longa-vida, feito, aliás, quem diria, por Carolina Ferraz.

A segunda boa coisa de se ver foi uma menina de óculos entrar na passarela da Printing. Me lembro de comentar com Jorge Wakabara, hoje editor do site da Lilian Pacce, que se ela fizesse moda como se vestia, haveria luz no fim do túnel na próxima geração.

Hoje, então, je vous présente Julia Valle, a estilista de óculos marcantes que entrou no fim do desfile da Printing e assina também Faven e uma coleção própria. "Meu atelier é um espaço de estudo/exercício de novas investigações sobre processos de moda", explica.

Julia encontrou um jeito discreto de amineirar a moda nórdica (ela passou um tempo na Dinamarca) ou de anordicar a moda mineira. Sem invencionices e sem acrobacias, Julia salta na multidão com graça e discrição. "Meu guarda-roupa tem muitas peças básicas, algumas mais especiais (que mais possivelmente vieram de bazares, brechós ou antiquários), e bastante acessórios (herdados da família, dos meus projetos pessoais ou de brechós)", diz. Tem sempre um twist (ainda não encontrei uma palavra ideal no estilo que ela define como "simplicidade, muita". E isso está de melhor tamanho.

Julia Valle, estilista/designer
Belo Horizonte

Usa: Blusa? juliavalle. Cardigã? Greyce Goes. Colar? De um brechó em BH. Calça? juliavalle. Sapato? Henrik Vibskov.

Qual a melhor ideia do look? A calça de malha com gavião superbaixo, mais confortável impossível, que quebra a caretice de qualquer composição mais séria e não dá vontade de tirar nem pra dormir.

2 comentários:

Anônimo disse...

Adorei o post. Tá demorando para o resto do Brasil acordar pro talento dessa menina.

Rita disse...

Eu amei o look, mas o móvel em que ela tá sentada é demais da conta, gente! Que coisa mais linda!

Beijocas!