quarta-feira, 16 de abril de 2008

The importance of being...

... Earnest, como escreveu Oscar Wilde. Na peça de um dos meus autores favoritos (acho perturbador a mãe dele, inconformada com o fato de ele ter nascido menino, tê-lo vestido de menina - quem sabe a história trágica dele vai entender o poder que a roupa tem), dois homens fingem se chamar Earnest - Ernesto, mas em trocadilho no inglês, sério - para impressionar suas garotas. Todos nós assumimos algo que não somos - complementamos ou dissimulamos nossa personalidade com acessórios, como nomes mais adequados ou roupas assim ou assado. Eis que agora mesmo encontrei uma resposta de ninguém menos que Christian Dior para a tentativa de ser na roupa (pense na atitude da mãe de Wilde), algo que não, necessariamente, se é. Data de 1957, ano em que ele morreu, uma década depois de desfilar o New Look. "Nessa era de máquinas, que preza a convenção e a uniformidade, a moda é o último refúgio do humano, do pessoal e do inimitável. Até mesmo as inovações mais escandalosas devem ser bem recebidas, mesmo que apenas nos protejam da pobreza e da mesmice." Então, eu fiquei pensando o seguinte: pode ser que o salto bêbado de Marc Jacobs, que eu postei aí embaixo, não vire um clássico e, portanto, nunca chegue a ter um nome próprio. Mas talvez a função dele seja única e exclusivamente nos tirar da zona de conforto, da mesmice, do igual-a-sempre-não-me-incomode. Please, disturb!

5 comentários:

Virgínia disse...

Muito legal esse post.

Edu Castelo disse...

Além de amar Oscar Wilde, concordo em gênero número e grau!

:)

Pati disse...

repito: você é ótima, Sissi!

Jussara Romão disse...

Você acabou de entender o sentido da moda.

Z. disse...

Descobri o blog por acaso e me deparei com esse post... Sempre fui obssessiva por esse texto do Wilde, e queria te parabenizar! Bjsss, Z.