quinta-feira, 17 de julho de 2008

ROUPAS DO OFÍCIO uma geral

(esse post é dedicado a Vica, que deve estar de férias porque anda sumida!)

Uma amiga falava ontem do tanto de horas que ela passa no trabalho. É editora de livros infantis numa publishing house espanhola e fica entre letras muito mais do que 9h/18h. O trabalho inclui mais do que ler originais e comissionar tradutores. Tem encontros com autores, com os manda-chuvas gringos, prêmios, cocktails. Nossa vida é trabalho - e eu entendo o quanto é difícil se conformar as ternos e tailleurs de cores neutras. Como satisfazer toda vontade de moda e o tanto de criatividade e desejo por beleza de qualquer alma feminina só num fim de semana de folga? Matemática difícil.

É por essas e outras que uma parcela das mulheres, numa tentativa de burlar as regras sisudas do jogo, acaba cometendo pecados como ternos rosa-bebê ou azul calcinha. Ou acaba usando um guarda-roupa de fim de semana no trabalho (quem não tem uma colega que parece ter saído direto da praia para o escritório?)

Primeiro ponto: vestir-se para a ocasião é um dos pilares da etiqueta modal. Então, aceite o fato de que uma boa fatia do seu guarda-roupa precisa ser destinada ao trabalho. Tem coisas que pisam no escritório, tem coisas que pisam na praia, tem coisas que pisam na badala - e dificilmente são peças que trafegam com desenvoltura de um cenário para o outro.

Segundo ponto: os estilistas entenderam já em meados do século 20 que as mulheres do século 21 trabalham. Muito. E precisam de muito mais do que um uniforme - terno, bolsa estruturada e um bom par de escarpins - para enfrentar a jornada. Em outras palavras: os desfiles estão lotados de opções criativas - ao mesmo tempo que apropriadas para o dress code do 9h/18h (ainda que ele esteja mais para 8h/22h!). Um terno já não é mais um terno de calça e paletó, sem nome e sobrenome: pode ter calça skinny e paletó masculino; pode ter calça clochard e spencer; pode ter pantalona e bolero; pode ter calça reta e paletó sem mangas.

Isso sem falar nas texturas. E nas cores. E nas sobreposições.

Enfim, as possibilidades são infinitas.

Mas o essencial permanece: manter a elegância, não importa o quanto seu ambiente de trabalho seja informal. É a medida da sua (boa) ambição. E esse primeiro post de moda trabalho define as regras do que NÃO fazer nesse jogo:

1. NÃO DESOBEDEÇA AS REGRAS, por mais que você desgoste delas. Ir contra o dress code da empresa - seja para se destacar, seja para deuses-sabem-lá-porquê - não vai impressionar seu chefe nem suas colegas.

2. NÃO EXIBA A BARRIGA. Nem que seja um centímetro. Compre camisas, suéteres, blusas no comprimento adequado e es-que-ça calças de cintura extrabaixa. Trabalho não é baile funk.

3. NÃO APROFUNDE O DECOTE. O objetivo é conquistar espaço pela competência, não pelas curvas.

4. NÃO MOSTRE O SUTIÃ. Nada, nem um microletésimo de alcinha. Nem de silicone (aliás, não use alça de silicone, por favor!)

5. NÃO VISTA TRANSPARÊNCIA. Essa regra é clara como a luz do dia!

6. NÃO SUBA A BARRA DA SAIA. Sim, suas pernas são di-vi-nas, e? Minissaias, microssaias, nanossaias são para days off. No trabalho, o máximo que uma barra deve subir é cinco dedos acima dos joelhos.

7. NÃO PISE EM CHINELOS DE DEDO. NEM EM TÊNIS. Não importa se os chinelinhos são de couro metalizado, com pedrinhas, píton, Louboutin. Chinelos dizem 'estou relaxando' e a mensagem no trabalho vira 'sou relaxada'. E por mais ginástica que você faça para subir de cargo, não demonstre o suor usando tênis - mesmo aqueles Pumas e Golas ultradescolados de sola finérrima. (A não ser que você seja Washington Olivetto, que eu já vi de Havaianas e terno para uma reunião de executivos terno-e-gravata. Mas aí você é dono da W/Brasil - está no topo da cadeia alimentar, numa agência de publicidade, e quebrar as regras faz parte de Cannes).

8. NÃO DÊ FOLGA AO BOM SENSO. Top tipo lingerie, vestido tomara-que-caia - e outras roupinhas que passam a mensagem 'sexy' ficam reservadas para momentos privés e de lazer.

9. NÃO SE APERTE. Fique fora dos justérrimos, coladérrimos. E jamais embarque no tudo muito justo. Compense a saia lápis com um suéter de gola V levemente solto do corpo ou uma camisa do tamanho certo.

10. NÃO ENLOUQUEÇA. Você tem estilo e quer expressá-lo, fine, mas mantenha a classe. Maquiagem exagerada, padronagens exibidas, chapéus malucos vão promovê-la a chefe do Pinel.

5 comentários:

Claudia Pimenta disse...

oi sissi! falei disso lá no blog, na segunda-feira:
http://pepperinfashion.blogspot.com/2008/07/procurando-emprego.html
... e concordo c/tudo que vc mencionou aqui. bjs!!!

senhorita sartori disse...

adoooooo o blog adooooooorei o post!

garimpo de estilo disse...

Sissi
a gente vê cada coisa...
eu olho pra umas colegas de trabalho e fico chocada, é cada coisa que aparece! Este seu post tinha que ser lido por milhões de pessoas.
beijos
do garimpo

Virgínia disse...

Obrigada pelo post, queri! Quem dera eu estivesse de férias, tô trabalhando muito e sem computador em casa. Mas logo resolvo isso pra voltar a comentar aqui e ler teus posts com calma. Beijão!

Anônimo disse...

ótimo post! valeu!