quinta-feira, 4 de junho de 2009

PARA AS VIAJANTES DE MODA Moscou, por Evelina Khromtchenko


Evelina Khromtchenko, autora de Russian Style (Assouline)

(foto: Kirill Nikitenko)

Se você tiver chance de ler uma matéria minha na Vogue deste mês, verá que a Rússia volta à moda em pleno Expresso do Oriente.

Para essa reportagem, entrevistei (também) a jornalista russa Evelina Khromtchenko, autora de Russian Style (Assouline), uma autoridade de moda no país.

Evelina me contou como foi crescer sob a cortina de ferro.

"Parecia impossível, mas durante os anos de URSS as mulheres conseguiam de alguma forma se manter elegantes. O salário da minha mãe, por exemplo, era de 300 rublos. Botas de inverno custavam 120 rublos (se você conseguisse encontrá-las em alguma loja) e o mesmo par custava 200 rublos no mercado negro (caso você conhecesse alguém envolvido nesse tipo de comércio).

É difícil explicar: imagine você se ver na situação em que não pode comprar sapatos. Não há sapatos nas lojas. Não dá para comprar jeans – não há jeans.

E quando acontece o milagre de haver esses artigos nas lojas, você espera horas na fila, às vezes sob chuva ou sob neve. E quando finalmente chega a sua vez, não há possibilidade de escolher algo do seu tamanho. Você compra o que está disponível e pronto. Se acontecer de a peça não servir, você vende ou troca com um amigo.

Isso não é Kafka. Eu me lembro bem desse período. A mesma situação com comida, com carros, livros. Tudo. E sem a possibilidade de viajar para o exterior. E sem perpectiva qualquer de poder algum dia sair do país.

Não é à toa que depois da Perestroika as pessoas passaram a viajar muito e a comprar com um apetite exagerado.

Sem regras, sem cultura. Algumas hitórias malucas! Looks inacreditáveis (para o mal). Mas o tempo passou.

Graças a um presidente forte, o mundo sentiu um país forte. Território gigante, extremamente bonito, cheio de pessoas bonitas e inteligentes, ainda misterioso, muito colorido, com uma história extraordinária e possibilidades financeiras enormes.

E agora há uma nova geração. As pessoas que tomam as decisões mais importantes hoje no país têm entre 35 e 45 anos. Para nós, a URSS não era um país monstro, mas o lugar feliz da nossa infância. Era o lugar onde nossas bonecas e ursinhos de pelúcia favoritos viviam, onde pirozhki deliciosos eram feitos, onde os desenhos animados eram divertidos, as músicas eram lindas e minha mãe era a mulher mais estilosa do mundo.

Não tivemos tempo para entender os problemas da geração dos nossos pais. Quando ficamos adultos, os problemas eram outros.

Ganhar dinheiro, viajar pelo mundo, experimentar a vida do Ocidente, tatear no mercado do consumo de luxo e virar gurus nessa área – depois disso, de repente descobrimos que havíamos nos esquecido dos tesouros do nosso país. Não estamos negando os prazeres além das nossas fronteiras, mas sentindo a necessidade de apresentar para o mundo nossa riqueza: o espaço ;e nosso, as cúpulas são douradas, Catarina é a grande... Boyards, Nikita, bailarinos, a princesa Anastasia ficarao conosco. E as memórias da nossa infância russa feliz e dos tempos atuais terá profundo impacto no estilo russo."

A meu pedido, Evelina listou sete programas imperdíveis em Moscou.

1. Na Praça Vermelha há uma loja de departamentos chamada GUM. São 200 lojas, incluindo Louis Vuitton, Christian Dior, Sonya Rykiel, Moschino, Etro. Siga a tradição de marcar um encontro perto da fonte, no centro da loja, e tomar o sorvete com marca GUM! Almoce no terraço ensolarado do Café Bosco com uma vista perfeita para o Kremlin.

2. Tsum éum destino fashion importante em Moscou, com mais de 1000 marcas de luxo, incluindo Balenciaga, Prada, Miu Miu, Yves Saint Laurent e os jovens talentos russos Gazinskaya e Denis Simachev. A loja fica perto do Balé Bolshoi.

3. Durante a cortina de ferro, o número 14 na Kuznetskiy Most abrigava a Casa de Moda Comunitária. Agora no espaço funciona a Podium Concept Store, uma multimarcas ultrachic. Procure por Kova&T by Dasha Zhukova, ótimos cocktail dresses e uma coleção de jeans e de joias muito impressionante.

4. A multimarcas Cara&Co funciona no Vinzavod, um lugaar cheio de galerias de arte contemporânea. No menu, jovens estilistas do Japão, Austrália e Bélgica e joias vintage extraordinárias.

5. Para comprar lembrancinhas autênticas, vá ao mercado Izmailovo e procure por xales Pavlovskiy Posad e Orenburg, valenki, broches soviétivos, shapkas, renda Vologda, porcelana Gzhel e jogos de mesa laqueados Khohloma.

6. Coma blini com caviar, borsh e pelmeni no Pushkin Café.

7. Compre pão preto, chocolate e doces moscovitas na Gastronom N1, dentro da GUM.

2 comentários:

andreza felix disse...

isto não é kafka é Pasternak.
(nao vou perder a matéria de jeito nenhum)

coisas de frozina disse...

Adorei! Para quem estiver em São Paulo e quiser sentir um pouquinho do gosto da Rússia tem a Tchayka - A Casa da Rússia, uma loja linda com acessórios russos, na Vila Madalena (r. Aspicuelta, 300).